mascote.png

Vol. 12, Nº 53, Dezembro/2021

AOS LEITORES

Tudo bem com você? Esperamos que sim!

Nesta edição você encontrará um podcast apresentando o Folhinha Aplicada e será muito bom  ouvir e compartilhar com outras pessoas, quem sabe nos ajuda a expandir ainda mais esse projeto? Também encontrará textos interessantes, resumos de trabalhos científicos realizados pelos estudantes do Ensino Médio com temas atuais e necessários que precisamos debater e dicas de leitura. Além disso, que tal curtir um filme  realizado colaborativamente durante a pandemia?

Essa edição está bem interessante, aproveite! Até a próxima edição.

PODCAST UFG COM VOCÊ

UFG COM VOCÊ

O programa UFG com Você apresenta o projeto "Folhinha Aplicada" (20 de outubro de 2021). Apresentação do programa: Maria Cristina Furtado.

Entrevistados:

Prof. Leonarlley Rodrigo Silva Barbosa

Profa. Andrea Alves da Silva Souza

Bolsista Giovana Alves Nogueira

 

CLIQUE NO LINK ABAIXO E CONFIRA O PODCAST

UDFCOMVC.jpg

CANTINHO DA LEITURA

O Programa de Educação Ambiental (PEA) do Sistema Campo Limpo foi uma ação do Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias realizada em parceira com a Secretaria Municipal de Educação de Senador Canedo (SEMEC) e com a Agência Municipal de Meio Ambiente de Senador Canedo (AMMA), que buscaram trabalhar com os alunos da rede municipal de ensino, sobre o manejo de resíduos sólidos, como descarte de embalagens vazias. 

 

Os alunos dos 5º anos de algumas das instituições de ensino participaram de um concurso de e Redação, com a temática: “Vivendo num planeta mais sustentável com a economia circular". As estudantes Yasmin Andrade e Mary Elen foram as vencedoras na etapa municipal, e agora estão concorrendo a etapa em nível nacional.

 

Material enviado pela Analista Educacional do Ensino Fundamental Élida Ferreira da Silva.


RESÍDUOS SÓLIDOS E A RECICLAGEM
Yasmim Andrade Rodrigues 
Escola Municipal Dr. José Carneiro (Senador Canedo - GO)
Orientação: Profa. Kauã Pereira Borges

Os resíduos sólidos são todos os materiais que chegaram ao final de sua vida útil. 

Esses resíduos são produzidos por residências, indústrias, comércios e hospitais. Alguns desses resíduos podem ser bastante perigosos e outros menos perigosos, mas todos prejudicam o meio ambiente.
 

Atualmente mais de 10,3 milhões de toneladas de lixo sólido são coletados, mas apenas 145 mil são reciclados. “O Brasil” é o 4º país do mundo que mais gera lixo plástico e isso tem que mudar urgentemente ou então estaremos em uma crise sanitária.
 

Esses resíduos sólidos são um problemão na nossa sociedade e devemos fazer o possível para resolver antes que se torne irreversível. Poderíamos separar os resíduos de metal, papel, vidro e plástico e levá-los para a reciclagem, e com o lixo orgânico poderíamos fazer adubo para as plantas.
 

Mas, para isso, os líderes comunitários, ONGs e a gestão pública deveriam se reunir e falar mais sobre os resíduos sólidos nas cidades, procurando uma maneira de fazer as pessoas terem mais compromisso público, pois o que realmente precisamos é da conscientização de todos!



O MUNDO MAIS LIMPO
Mary Elen Silva dos Santos
Escola Municipal Vovó Dulce
 (Senador Canedo - GO)
Orientação: Profa. Mônica Cristina Silva

A natureza faz parte do meio ambiente: os lagos, os rios, mares, florestas e os seres humanos.

Para que o Planeta seja protegido e cuidado, temos que aprender e praticar os “5 Rs” da sustentabilidade. Sem a devida distinção dos resíduos e dos rejeitos, o planeta Terra ficará cada vez mais doente. 

Não jogar lixo nos mares, nos rios, nas nascentes, não colocar fogo nas matas, reciclar e reutilizar os resíduos domésticos e orgânicos são atitudes de indivíduos conscientes.

Pessoas que acreditam e praticam a responsabilidade compartilhada são verdadeiros agentes protetores da natureza. O mundo está precisando de ajuda para tornar-se mais limpo e sustentável, para que isso aconteça, faz-se necessário a prática da economia circular.

A economia circular pode ser realizada pelas grandes indústrias e fábricas e até pelo consumidor final em sua casa. O planeta não pode servir de lixeira, pois ele é a nossa casa e toda casa merece ser bem cuidada e limpa. 

Cada indivíduo precisa ter responsabilidade para manter o meio ambiente sustentável, pois não adianta ter crescimento tecnológico e não haver crescimento sustentável do meio ambiente.


A VERDADE DA MENTIRA
Rebeca Ferreira dos Santos  - 5º ano
Cepae/UFG (Goiânia-GO)
Orientação: Profa. Márcia Ferreira Torres Pereira
De algum tempo para hoje, Nasrudin só ouvia falar num homem chamado senhor Pedro. Haviam boatos que contavam que este homem nunca falou sequer uma mentira e falavam também que esse inventor era mais inteligente que Nasrudin. Então, Nasrudin confessou que estava com um pouco de ciúmes e foi se encontrar com o inventor de histórias na fábrica de Mirapórim e chegando lá, foi até o escritório do senhor Pedro e disse:
 
- Quem é esse tal de senhor Pedro que quer roubar minha reputação de levar a verdade a todos?
 
- Nasrudin, é você? Eu preciso conversar com você, você chegou no dia certo e na hora exata – disse o senhor Pedro
 
- Sim, precisamos conversar urgentemente - concordou Nasrudin. Ele sentou-se numa das cadeiras do escritório e falou:
 
- Dizem que você é mais sábio do que eu. Vamos ver! Há boatos falando que você nunca sequer mentiu. Então me fale alguma coisa que seja verdade e mentira ao mesmo tempo. Nasrudin estava tão bravo que chegou a ficar vermelho, mas disse:
 
- Se eu mentir você saberá a verdade, se eu disser que eu não minto já estarei mentindo. O senhor Pedro respondeu com a maior calma do mundo ao desafio:
 
- Mentira, você acabou de dizer a verdade! Com essa resposta, Nasrudin saiu dali e foi levar a verdade a outra cidade.



EM BUSCA DE INHOQUE
Dominic Arantes Gonçalves - 5º ano B
Cepae/UFG (Goiânia-GO)
Orientação: Profa. Márcia Ferreira Torres Pereira

Era uma vez uma tartaruga e o seu bichinho de estimação chamado Inhoque. Todos os
dias ele brincava com Inhoque, assim como todos da vila onde ele morava porque gostavam
muito dele, sempre com respeito e muito cuidado.

Um dia uns ladrões entraram na vila e pegaram o Inhoque. Quando a tartaruga acordou
não o achou, mas achou uma carta dizendo: “Eu peguei o seu bichinho de estimação.
Assinado: Luva Branca”

A tartaruga ficou muito brava e chamou os seus amigos: o porco, o jacaré e a gata. Eles
sairiam de noite para o esconderijo do Luva Branca. Caminharam e no outro dia encontraram
três caminhos cheios de armadilhas. Então, eles tiveram uma ideia: começaram a jogar pedras
nos três caminhos para saber qual era o certo.

O primeiro caminho, ao receber as pedras, larvas saíram do chão. No segundo caminho
apareceu um lago de jacarés. No terceiro caminho apareceu uma charada escrita no chão: “O
queijo vem do leite, o leite vem da vaca. E de onde veio a vaca? Se você não conseguir acertar
a resposta, então, nunca mais verá o seu bichinho. Assinado Luva Branca”.

A tartaruga e os seus amigos ficaram sem saber o que responder, mas conseguiram o
Inhoque de volta. Sabem como? Será que alguém respondeu?

VÁ(LER)

B00CO606M0.01._SCLZZZZZZZ_SX500_.jpg

A TERRA DOS MENINOS PELADOS
Autor: Graciliano Ramos


Mayna Gabriela Pereira dos Santos - 5º ano B
Cepae/UFG (Goiânia-GO)
Orientação: Profa. Márcia Ferreira Torres Pereira
O livro conta a história de um menino chamado Raimundo, ele era um menino sem
cabelos e tinha um olho preto e o outro azul, falava sozinho e muitos pensavam que ele era
maluco.

Os meninos da sua cidade gritavam e zombavam dele. Ele, então, desejava ficar sozinho.
Assim, começaram a acontecer coisas estranhas, ele foi para Tatipirum e ficou surpreso ao ver
que ali ficava perto da sua casa. Na terra de Tatipirum encontrou um carro falante que invés
de faróis tinha olhos, um azul e outro preto, tinha também uma laranjeira muito amável e
educada, sem espinhos que lhe deu uma laranja.

Raimundo continuou andando e escutando as cigarras cantando, além de várias aranhas
vermelhas que fabricavam teias coloridas, até que chegou no Rio das Sete Cabeças onde se
reunião os meninos pelados, uns claros outros escuros, grandes e pequenos, mas todos calvos
com um olho preto e outro azul.

No inicio, Raimundo ficou com muito medo de puxar conversa e os meninos pareciam
zombar dele. Ele notou que todos estavam calvos e vestidos com panos coloridos feitos pelas
aranhas. Ao explicar de onde vinha, Raimundo inventou um nome para sua cidade – Cambará
e todos queriam saber se ele havia encontrado Caralâmpia. Mas ele não sabia quem era até
que descobriu ser uma menina. Depois que conheceu a todos, sentiu tristeza porque teria que
voltar para casa e viver a sua realidade.

Nesse livro, o autor defende a ideia de que todos precisam respeitar as diferenças, que
ser diferente é normal e legal. O autor conta a história de Raimundo, um menino sem cabelos
com um olho azul e outro preto, que era zombado pelos meninos de sua cidade e que havia
saído para um lugar imaginário onde era respeitado e todos se pareciam com ele. Nesse lugar
também aconteciam coisas mágicas, tinha um rio que juntava as duas margens quando alguém queria atravessar, havia uma montanha que não precisava subir ela é que ia se abaixando, também um carro falante, havia uma laranjeira legal e lá ninguém ficava doente ou velho, todos podiam escolher o que queriam ser.

CURTA

A ESPERA DE LUDY
Curta documental sobre as crianças e o estudo remoto emergencial durante a pandemia. Realizado com imagens de arquivo e animação em 2021, sob a direção de Maria Alice de Sousa Carvalho Rocha e Santiago Lemos.

WhatsApp Image 2022-01-05 at 21.42.17.jpeg

DESENHOS NO FOLHINHA

Heloísa Vitória Borges Rodrigues
Turma B2 - Vespertino
Escola Municipal Bernardo Élis (Goiânia - GO)
Orientação: Prof. Leonarlley Rodrigo Silva Barbosa

GALERIA DE FOTOS

Confira as fotos de entrega de Declaração de Publicação para os alunos da Escola Municipal Terra Prometida (Aparecida de Goiânia - GO). O evento teve a participação pais/responsáveis, professores e demais servidores da escola.

RESUMOS DE PESQUISA

REPRESENTATIVIDADE FEMININA NA OBRA CINEMATOGRÁFICA CAPITÃ MARVEL

 

 Maysa Cristina Borges da Silva (Estudante – CEPAE/UFG)

Fabiana Perpétua Ferreira Fernandes (Orientadora – CEPAE/UFG)

 

Nos séculos XX e XXI, as mulheres têm enfrentado vários obstáculos para garantir seus diretos de participação nas esferas sociais e o movimento feminista tem sido um espaço de apoio e luta pelas problemáticas que surgem no cotidiano feminino. Nesse sentido, como tema de pesquisa para o Trabalho de Conclusão do Ensino Médio (TCEM), selecionamos o protagonismo da personagem feminina na obra cinematográfica Capitã Marvel. Embora personagens femininas participem de alguns filmes dos estúdios Marvel, os protagonistas costumam ser personagens masculinos, supervalorizados por sua força, coragem e poderes. Presse (2020) apresenta um estudo atual que indica um aumento no número de mulheres protagonistas nas obras de Hollywood, inclusive foram analisadas as 100 maiores bilheterias do cinema e 40% delas foram protagonizadas por mulheres. O estudo deste tema é relevante por abordar o protagonismo da mulher/heroína em um gênero cinematográfico constituído historicamente por personagens masculinos. O filme Capitã Marvel leva já em seu título o nome da personagem feminina, assim como é feito com os personagens masculinos, apresentando um avanço na valorização do papel da mulher enquanto protagonista. Os adolescentes – tanto meninos quanto meninas – costumam assistir e acompanhar a trajetória destes personagens, sendo de suma importância a percepção de questões que podem ser relacionadas às problemáticas femininas atuais. O objetivo geral será identificar os conflitos enfrentados pela protagonista no enredo da obra. Para a realização do estudo serão selecionadas e analisadas diferentes cenas que abordam os principais conflitos vividos pela personagem Capitã Marvel. 

 

Palavras-chave: Iniciação Científica; Capitã Marvel; Problemáticas e conflitos femininos. 

 

 

 

DEPRESSÃO EM ADOLESCENTES DURANTE A PANDEMIA: ESTUDO DE CASO REALIZADO EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE GOIÂNIA

 

Bruna Pires de Almeida (Estudante – CEPAE/UFG)

Fabiana Perpétua Ferreira Fernandes (Orientadora – CEPAE/UFG)

 

Nas últimas décadas a depressão tem se mostrado um dos mais graves problemas de saúde pública, pois seus índices vêm crescendo de forma alarmante e afetando milhares de indivíduos de forma direta ou indireta. O último relatório da Organização Pan-Americana da Saúde, realizado em 2020, mostra um aumento no índice de sintomas de depressão durante a pandemia do Covid-19.  Um estudo realizado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, no ano de 2020, aponta que os casos de depressão sofreram um aumento de 50% no citado ano devido ao surgimento da pandemia. Nesse sentido, a definição deste tema de pesquisa aconteceu por sua relevância na atualidade, por apresentar um grande crescimento em seus índices durante o período pandêmico, por ser uma doença rodeada de preconceitos e incompreensão e pelo descaso dos órgãos públicos de saúde. O objetivo geral da pesquisa é entender as razões que levaram ao aumento no número de jovens diagnosticados com depressão durante a pandemia covid-19. Os objetivos específicos são: pesquisar o conceito de depressão; identificar os sintomas mais frequentes apresentados pelos jovens; verificar as possíveis causas e consequências da depressão durante o período de isolamento; como a escola está presente na vida dos jovens durante esse período; e conhecer as formas de tratamento aplicadas durante este período. A pesquisa está sendo realizada em uma escola pública de educação básica da cidade de Goiânia/Goiás, por meio de questionários aplicados aos estudantes do Ensino Médio, à coordenação pedagógica e ao departamento de psicologia. A pesquisa está em andamento e seus resultados serão apresentados em março de 2022. Acreditamos que o medo intenso gerado no período pandêmico levou muitos adolescentes a desenvolverem a depressão, bem como a solidão, o fato de não poder sair livremente e a falta de perspectiva para o futuro.

 

Palavras-chave: Iniciação científica; Depressão; Pandemia; Adolescência.

 

 

EDUCAÇÃO SEXUAL NA ESCOLA: UMA AÇÃO NECESSÁRIA PARA A CONSCIENTIZAÇÃO DE JOVENS ESTUDANTES

Luana Maria Lacerda de Sousa (Bolsista – CEPAE/UFG)

Fabiana Perpétua Ferreira Fernandes (Orientadora – CEPAE/UFG)

 

Falar sobre sexualidade no contexto escolar ainda é um tabu. Percebemos que há uma confusão entre educar para sexualidade e incentivar o início precoce das relações sexuais, argumento utilizado por muitos pais ao repudiar as iniciativas de educação sexual no contexto escolar. Saito e Leal (2000) afirmam que a escola é o espaço de formação dos indivíduos e tem o compromisso de desenvolver a cidadania, o respeito, o autocuidado e o cuidado com o outro. Nesse sentido, a educação sexual na escola é uma ação necessária para desmistificar as crenças criadas sobre o assunto e conscientizar os jovens sobre os processos pertinentes à sua sexualidade. Acreditamos que muitos jovens não se sentem esclarecidos sobre os seus corpos e os processos que envolvem a sexualidade. Embora tenham acesso fácil à informação (internet, revistas, televisão, redes sociais), muitos jovens não estão ou não buscam estar informados. Outro fator preocupante é a ausência de diálogo entre eles e suas famílias, fato que influencia na falta de orientação sobre o tema. A pesquisa foi estruturada em algumas etapas: na primeira será realizado o estudo bibliográfico e organização do referencial teórico; na segunda será aplicado um questionário para estudantes do 9º ano do ensino fundamental e das três séries do ensino médio; na terceira etapa convidaremos um especialista para falar sobre o tema em uma palestra direcionada a estes estudantes e participantes da pesquisa; e na última etapa discutiremos sobre as questões que os participantes escolherem como as mais relevantes para abordagem no contexto escolar.

Palavras-chave: Iniciação Científica; Educação e Sexualidade; Conscientização.

Resumos recebidos em 29/11/2021 e aprovado em 06/01/2022.

QUEM FEZ ESTA EDIÇÃO:

Maria Alice de Sousa Carvalho Rocha, Leonarlley Rodrigo Silva Barbosa, Márcia Ferreira Torres Pereira, Fabiana Perpétua Ferreira Fernandes, Élida Ferreira da Silva e Leomara Aquino.